Saudades.

O que são, além de um sentimento subjectivo perdido no meio de tantos outros?

No meio do álcool e da droga já nem te sinto bem. Já nem te toco por querer. Ganha-se tão pouco. A futilidade dos dias reflecte-se em poucas horas nas caras desonestas e perdidas no meio da rua.

Lá fora, naquele buraco escuro onde se perde o som e se deixa de sentir o toque estás tu, escondida.

Tu, corpo de mulher, perdida no meio do que tanto anseias. De que te servem as curvas e os lábios vermelhos que nos enfeitiçam?

Tu, corpo de homem, bem sei que também lá estás. Estás perdido com ela, como sempre. Perdeste-te no toque e no sentido da palavra.

Hoje escrevo demais para te ouvir.O teu rosto está cansado, bem o sei. És a pouca luz que vejo no meio daquele buraco em que ela também está. Não anseias por fé, mas esperas que o desejo chegue até ti.

Queres-te a ti mas tu já te perdeste.

 

tags:
publicado por Rita às 23:19 | link do post | comentar