O que dói é a facada que não sabemos de onde surge. Sentimos o corte, passamos a viver com ele e esperamos até que se cure superficialmente.

Soa-me a um fantasma, a gritar cá dentro coisas que ninguém entende. O desgosto confunde-se com a raiva inúmeras vezes, vezes demais.

 

E é isso. Foi o ponto final.

publicado por Rita às 22:46 | link do post | comentar