Eis a questão.

Já queimei as cartas, as pulseiras, o amor.

Eu tenho um problema: afeiçoo-me muito depressa às pessoas. Não devia, não devo. É politicamente correcto dizer à minha pessoa para não o fazer, no entanto, continuo.

Oiço os acordes e a melodia de que falo tantas vezes.Ora se parte uma corda, ora se parte um coração.

São verdades incontroláveis, meus amigos.

Já o questionei: de quanto vale ser politicamente correcto?

publicado por Rita às 18:39 | link do post | comentar