Possivelmente, o desejo é um dos nossos maiores incentivos. O querer de isto ou daquilo torna-se momentaneamente a coisa mais importante da vida de cada um.

Não sei se o desejo é uma coisa boa. A troca de olhares confusa, a mordidela sensual no lábio, as palavras sussurradas aos ouvidos e as lutas inconstantes são coisas subjectivas e sem sentido aparente. 

De quanto vale um desejo?

Vale mais do que as coisas valiosas, do que os momentos em que a nossa vontade não é controlada por outrém e do que a nossa liberdade?

Não tenho respostas nem tão pouco quero ter.
Às vezes o desejo é uma justificação para os nossos actos e a única coisa que pode fazer sentido num determinado momento.

Como agora. 

publicado por Rita às 21:57 | link do post | comentar