Borboleta

Quando te conhecia eras tão grande. Tão grande, tão grande que parecias tocar o céu com a maior das facilidades. Hoje, envolto nessa sombra, tornaste-te do tamanho do meu dedo mindinho e seria tão fácil esmagar-te e tornar-te em nada.  
Vais amar-me sempre e vais sempre desejar-me ter-te a teu lado, mesmo que não o saibas. Não há histórias de amor, essas passam demasiado depressa. 
Um dia vais olhar para trás e ver que eu deixei de lá estar.Nessa altura, soltem-se as palavras de paz, aquelas que tantos homens não sabem proferir. 

 

"Eu não quero um conto de fadas porque isso não existe. Eu quero algo bem real, que me faça arrepiar, enlouquecer e escrever." 

publicado por Rita às 15:34 | link do post | comentar