Terça-feira, 31.05.11

Facto. (8)

No dia em que me fizeste chorar por ti, era o dia em que devia ter-te deixado num canto, a apodrecer. 

Já lá vai o tempo, já lá vão as dores.

tags:
publicado por Rita às 22:30 | link do post | comentar | ver comentários (4)
Terça-feira, 24.05.11

À minha frente vejo vidas cruzadas, onde uma rapariga de estatura média e gorda, de aspecto pegajoso e sujo, exibe na sua mão o seu belo cigarro. Ah, vidas dadas a vícios! Rapariga, rapariga, tão feia e carnuda és. Tens aspecto reles mas nem queres saber. Deitada no sofá vermelho parece um corpo ainda mais mole do que o que aparenta ser. Tem tão pouca vida para dar que até me dá sono a mim, espírito inquieto. Está doente ou faz por estar e, no meio da insanidade mental e da roupa suja, bebe um trago de vinho. Mal lhe vejo a garganta. Sei que se regalou pelos seus olhos, que desta vez se mostraram vivos e brilhantes. Deixo-a em paz, no meio da sua própria sujidade, enquanto me encontro em ti e me agarro ao pedaço de desejo que trazes contigo. Perdia-me em ti hoje, amanhã e até à eternedidade das nossas vidas. És apetecível, meu amor, e por ti trocava todas as dentadas de amor e de desejo que me oferecessem. 

publicado por Rita às 20:24 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Domingo, 22.05.11

Expressa-se a liberdade, neste instante em que te escrevo, de ser aquilo que nunca quis nem fui. E no mesmo instante em que te escrevo, pelas bocas do mundo espalham-se canções, para que se alegre o próximo. Tanto sacríficio sem ser preciso. 

publicado por Rita às 18:16 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Segunda-feira, 16.05.11

Lá ao longe, há uma casa. E dentro dessa casa ouve-se o tocar de um velho gira-discos. Daqueles impiedosos que já tremem da idade, que teimam em não resistir, em não deixar de exercer a sua função. Nesse gira-discos toca a banda sonora de uma paixão perdida, de um amor que deu o afecto que tinha a dar e roubou os beijos de quem os queria dar. Mal os pequenos porcos sabem, mas o gira-discos continua a tocar para embalar a dor da mãe que perdeu uma vida ou duas. Perdeu ou roubaram-lhe, que não se perde amor assim. 
Apodrece a carne, uma vez mais. Agarram-se ao vinho, ao tabaco, aos clichés viciosos de que tanto se fala.
É triste, ver casa assim. Vê-se de longe a debilidade da mente e do corpo e o rosto choroso de quem sofre. Melodramas, dizem as vozes que me chegam aos ouvidos. 
Por saber do que falam, respeito.

Por mim, pedia-lhe mais uma vez a mão para dançar, só uma última vez. É tentação, é carne, é pecado. É a maldita da vontade.

publicado por Rita às 21:36 | link do post | comentar

Ainda não morri.

publicado por Rita às 21:22 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim

Maio 2011

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
23
25
26
27
28
29
30

posts recentes

.

desdeabrildedoismiledez


tags

pesquisar neste blog

 
blogs SAPO